O blog
Dizem que falar aos cotovelos é ruim. Dizem que expressar opinião é ótimo em alguns casos. Unindo ambas as coisas essa pequena garota irá tentar defender as suas próprias opiniões de coisas cotidianas, valhas ou às vezes inúteis; passando o tempo aqui, vendo as horas voarem e digitando descontroladoramente palavras aleatórias, porque isso sim é de sua natureza.

Quem
Gabriela Andrade, uma senhorita com 24 anos vividos de misturas sentimentais, questões polêmicas, questionamentos utópicos sobre o mundo, englobados em torno de muitas confusões. Anseia por um futuro melhor, mas se saberá o que será do temido e exasperado amanhã?

Arquivo
06.09 / 07.09 / 08.09 / 09.09 / 10.09 / 11.09 / 12.09 / 01.10 / 02.10 / 03.10 / 04.10 / 08.10 / 09.10 / 10.10 / 11.10 / 12.10 / 01.11 / 02.11 / 03.11 / 04.11 / 05.11 / 07.11 / 08.11 / 09.11 / 01.12 / 02.12 / 03.12 / 04.12 / 07.12 / 09.12 / 03.13 / 07.13 / 11.13 / 01.14 / 01.15 / 02.15 / 03.15 / 07.15 / 01.17 / 09.17 / 10.17 / 11.17 / 01.18 / 02.18 / 04.18 / 08.18 /


Indagações
Comentários (0) // quinta-feira, 16 de julho de 2009
Somente uma saída a minha alma encontra para se distanciar do tumulto em que o meu corpo padece. Somente um refúgio ela consegue se abrigar diante a tantas infelicidades. Somente um abrigo era confortador o bastante para refugiar as constantes lágrimas que insistiam em cair defronte. Somente um meio, uma via, com um único acesso. A escrita. Permiti que os medos calassem os meus anseios de bravura. Permiti que as dúvidas prevalecessem dentre tantas certezas. Permiti que o pensamento alheio fosse mais importante que a minha próxima fala. Permiti que a estrada fosse curta sob a minha visão. Permiti que não houvesse lutas contra o meu coração. Permiti que a companhia não fosse tão essencial, quando na verdade era indispensável. Permiti não ser tão amável quando se era urgente. Permiti acreditar naquele que mente. Permiti que a ilusão invadisse a minha realidade e que um conto de fadas fosse a minha inteira verdade. Deixei-me levar por ondas tortuosas, compostas por mares onde haviam cobras. Deixei-me enganar pelo viver do sofrer. Deixei-me esquecer das coisas boas aliadas ao meu ser. Levei respostas certas para perguntas erradas e agora estou aqui, tentando encontrar caminhos enumerados pela estrada. Seguir-se-ia somente um mapa, com todas as direções. Um guia que me levasse ao caminho, onde as palavras que saem de mim fizessem algum sentido.

Fonte da foto: aqui

Marcadores: , ,