O blog
Dizem que falar aos cotovelos é ruim. Dizem que expressar opinião é ótimo em alguns casos. Unindo ambas as coisas essa pequena garota irá tentar defender as suas próprias opiniões de coisas cotidianas, valhas ou às vezes inúteis; passando o tempo aqui, vendo as horas voarem e digitando descontroladoramente palavras aleatórias, porque isso sim é de sua natureza.

Quem
Gabriela Andrade, uma senhorita com 24 anos vividos de misturas sentimentais, questões polêmicas, questionamentos utópicos sobre o mundo, englobados em torno de muitas confusões. Anseia por um futuro melhor, mas se saberá o que será do temido e exasperado amanhã?

Arquivo
06.09 / 07.09 / 08.09 / 09.09 / 10.09 / 11.09 / 12.09 / 01.10 / 02.10 / 03.10 / 04.10 / 08.10 / 09.10 / 10.10 / 11.10 / 12.10 / 01.11 / 02.11 / 03.11 / 04.11 / 05.11 / 07.11 / 08.11 / 09.11 / 01.12 / 02.12 / 03.12 / 04.12 / 07.12 / 09.12 / 03.13 / 07.13 / 11.13 / 01.14 / 01.15 / 02.15 / 03.15 / 07.15 / 01.17 / 09.17 / 10.17 / 11.17 / 01.18 / 02.18 / 04.18 / 08.18 /


Man super friend
Comentários (5) // segunda-feira, 22 de junho de 2009
Lá estava ela, no auge dos seus descansados quinze anos e com milhões de reclamações sem sentidos a fazer. A outra buscava entender, sem saber e nem por onde começar. Era uma simples cadela e sabia como ninguém amar. Eram imprescindíveis os seus latidos ensurdecedores que faziam toda a vizinhança se queixar. Eram assustadoras as suas mordidas bruscas que transformavam a paz do ambiente num alvoroço de gritos e espantos nas visitas.
As sandálias novas que disseram adeus ao serem mastigadas pelos seus afiados dentes, o pôster favorito, as revistas e as plantas, não representam nada agora, perto da enorme ausência que você faz. É incrível ter que dizer que mesmo com tantas coisas mais importantes, fui perder o meu tempo com aquelas supérfluas, não lhe dei toda a atenção que merecia. Aquele cheiro que todo vira-lata tem, agora faz das minhas narinas apenas um olfato imaginário daquele fedor particular seu, que todos tinham repúdio, mas que duma forma estranha tornou-se a minha lembrança mais viva e doce. Como alguém poderia dizer que naqueles dias em que ninguém estava em casa, havia uma menina chorando no andar de cima olhando nos olhos da sua única testemunha, que buscava compreender o porquê de tudo aquilo. As lágrimas transbordavam em seu rosto e sem poder ver, lá estava o melhor amigo do homem fazendo companhia para a mais solitária do momento, de todas as garotas.
Durante o seu sofrimento, fiquei eu sem nada fazer, somente continuando a ser a mesma idiota de sempre. Palavras não vão amenizar tudo o que você deve ter sofrido. Apaguem as luzes, deixem as velas. Promessas não me fizeram melhorar. Desmanchem os sorrisos, liberem as lamúrias. E o que será que irá acontecer? Sumam as cores, deixem o preto e branco. Num lugar melhor espero lhe encontrar, quem sabe lá no fim do arco-íris possa eu te achar? Liberem a alegria, aproveitem este dia. Aprendi com você que sob tudo o que nos faz perecer, devemos apenas viver com um brilhar nos olhos buscando a esperança mútua e um sorriso iluminando a face, demonstrando que posteriormente nada se passará da mais boba diversão. Tragam-me o Sol, iluminem o meu íntimo paiol.
Muito tempo perdi somente observando no que tudo isso ia dar. Agora a tristeza me deixou a lição casual de cada erro. Hei de aproveitar o presente, guardar as lembranças em cada verso meu e algum dia contar aos meus filhos sobre aquela que foi a melhor amiga do homem, da família. Com você, tapas, guerras e discussões faziam do nosso cotidiano o cenário para as mais belas e loucas das diversões.

Marcadores: , ,